LOGO-2018

O Departamento de Segurança

Nenhum segurança que estiver na escala de serviço poderá iniciar suas atividades antes de orar, pedindo ao Senhor que o proteja e que nenhum incidente aconteça com ele ou com os membros e frequentadores e seus veículos. Todo aquele que for chamado para fazer parte desse departamento, antes de ser efetivado na função deverá receber oração e ser ungido pelo responsável pela igreja.

É vedado aos seguranças ficarem conversando com pessoas, membros, frequentadores ou não, além do tempo necessário para as informações ou cumprimentos, quando estiverem em serviço.

O coordenador de segurança deve conhecer a escala de atividades da igreja e fazer plano de atividades para os dias de cultos e festividades. Ele deve fazer a escala de serviço destacando o pessoal necessário para os cultos durante a semana.

Ele deve ser informado pelo responsável do departamento em festa sobre as pessoas que foram convidadas para poder cuidar da reserva de vagas no estacionamento e, se necessário disponibilizar o serviço de manobrista.

Os seguranças devem orientar os frequentadores para que não estacionem em frente aos portões com guia rebaixada, salvo se permitido pelo morador que aqueles já conhecem. Se isso ocorrer e não foi possível perceber no momento o ocorrido, o segurança deve anotar o número da placa do veículo e modelo para que seja notificado para o proprietário retirá-lo do local.

O responsável por esse departamento deve destacar no mínimo três pessoas por final de semana para trabalhar na rua com a responsabilidade de vigiar os carros dos membros da igreja e outras atividades pertinentes e terão a seguinte disposição: 1 no portão de entrada, 1 a 30 metros da frente da igreja para a direita e outro na mesma proporção para a esquerda. Em época de festas esse número deve ser aumentado para um perfeito atendimento a essa responsabilidade crucial para a tranquilidade dos adoradores e da boa convivência com a vizinhança.

Na parte inferior da igreja (saguão) ficará outro obreiro com a responsabilidade de prestar atenção ao banheiro masculino, ao saguão e à cantina.

Quando for necessário, as recepcionistas da parte interna pedirão auxílio aos seguranças que estiverem no interior do templo e caso não estejam disponíveis, elas devem solicitar o apoio do que está atuando no portão principal ou o segurança disposto no saguão, nessa ordem.

O segurança responsável pelo saguão também o é pelo fechamento dos portões inferiores e pelo desligamento das luzes daquele pavimento, verificando dentro dos banheiros se está tudo de acordo, se não tem ninguém usando as instalações e se todas as portas estão fechadas. O fechamento das portas laterais e da porta principal também é responsabilidade desse obreiro, escolhido pelo pastor da igreja.

Quem estiver responsável pela segurança no dia do culto ou da reunião, antes de ir embora deve observar o fechamento de todas as portas e dependências. O segurança que estiver no portão de entrada controla o acesso de pessoas no interior do templo e suas instalações na parte superior.

Se algum desconhecido chegar e perguntar quem é o pastor porque deseja falar com o mesmo, os seguranças que estiverem em serviço, jamais devem informar de pronto quem é o pastor. Deve antes se informar sobre quem é a pessoa e o que deseja e se outra pessoa poderá atendê-lo. Após isso entra em contato com uma diaconisa recepcionista ou o seu superior, informando o ocorrido e este verifica se o pastor ou o seu imediato pode atender aquela pessoa. Se for o caso daquela pessoa querer dinheiro ou alimentação, recomenda-se a dispensa imediata, salvo se o Espírito Santo orientar diversamente.

O segurança que estiver no portão principal e perceber que está havendo perseguição policial ou outro tipo de tumulto deve imediatamente fechar o portão e junto com os outros seguranças externos ficarem do lado interno do muro da igreja.
O segurança deve evitar ficar desatento e conversando com outras pessoas durante o seu turno de trabalho, recomendando aos membros que se dirijam para o interior do santuário.

Se necessário, os seguranças da parte externa devem pedir reforço aos que estiverem em outro posto de serviço ou chamar a polícia em caso de roubo, assalto ou furto de veículos dos membros da Igreja.

As escalas de serviço devem ser feitas com antecedência e em sistema de rodízio, de modo que os envolvidos participem dos cultos regularmente.

Os que estiverem na escala de serviço devem chegar antes do horário das reuniões e cultos e só se retirar após o encerramento das atividades.

Se entrar um bêbado no culto e começar a tumultuar o andamento dos trabalhos, um segurança que estiver no santuário ou uma das recepcionistas deve chamar um segurança externo que pedirá para que aquele indivíduo se comporte sob pena de ser retirado do recinto.

No caso de pessoas endemoninhadas, sendo mulher, as diaconisas acompanhadas de um obreiro a conduzem ao saguão inferior e ali expulsam o demônio e a convidam a aceitar Jesus como Salvador, em caso afirmativo oram pela pessoa e prestam aconselhamento. Se for homem, os seguranças – cooperadores ou diáconos acompanhados de uma diaconisa ou uma recepcionista o conduzem ao mesmo lugar e executam o mesmo procedimento.