A maioria dos colégios e cursinhos aplica periodicamente simulados em meio à preparação para o Enem e os vestibulares pelo país. Seja em um formato personalizado ou semelhante às provas mais tradicionais, essa ferramenta é muito útil tanto para aprimorar os conhecimentos sobre as disciplinas quanto para melhorar estratégias relacionadas à resolução das questões e controle do tempo.

Mas vale um alerta: a simples realização de dezenas de simulados ao longo do ano não é o suficiente para garantir uma melhora no desempenho nos vestibulares. Existem alguns fatores que você não pode deixar de lado durante e depois da realização dos exercícios. Por isso, conversamos com o coordenador do Curso Etapa, Marcelo Dias, e o CEO do Prova Fácil, plataforma de gestão de avaliações, Adriano Guimarães, para elencar as melhores dicas para quem quiser aproveitar os simulados como uma verdadeira ferramenta de estudos. Confira:

1. Identificar dificuldades

Ao fazer o simulado é importante que o estudante fique atento às questões em que sente mais ou menos dificuldade. Isso dará um panorama sobre quais assuntos merecem mais atenção na hora dos estudos.

Achou uma questão de citologia mais complicada? Não conseguiu resolver aquele exercício de matrizes? Errou as características de determinada vegetação? Perceba seus pontos fracos e reforce a leitura desses temas.

2. Controlar tempo de prova

“Uma dica importante para o estudante é que aprenda a controlar o tempo de prova com os simulados. Ele precisa treinar esse quesito para que nos vestibulares consiga responder em quatro, cinco horas todas as questões de maneira tranquila”, diz Adriano.

Saber se organizar com o número de questões e a média de minutos que você deve dedicar em cada uma fará toda a diferença lá na frente. Por isso, use o simulado para treinar o seu ritmo e ficar mais preparado. E lembre-se: para se ter uma noção real nesse quesito é fundamental realizar a prova sem distrações.

3. Ler o enunciado com atenção

“Com as questões objetivas os estudantes tendem a ler e responder rapidamente, no entanto, a interpretação do enunciado é muito importante porque, na maioria dos casos, traz dicas sobre as respostas”, alerta Adriano. Então leia com calma para não perder questões por bobeira.

4. Ampliar o treinamento

Essa dica é valiosa se você vai prestar mais de uma prova no final do ano. Como cada uma tem suas peculiaridades, tanto em termos de conteúdo quanto em relação à estrutura da prova, treine para cada vestibular que irá realizar.

5. Fazer um relatório

Após fazer o simulado, Marcelo explica que é fundamental o estudante montar um relatório, que deve contemplar uma análise dos três tipos de erros que ele pode cometer: por conteúdo, distração e estratégia.

O erro por conteúdo é aquele cometido porque o estudante não sabia a resposta. O por distração é cometido quando ele entende a questão, sabe a resolução, mas acaba se equivocando por causa de uma leitura desatenta do enunciado, por exemplo. Já o erro por estratégia ocorre quando o vestibulando nem consegue realizar a questão por falta de organização e tempo.

Essa ferramenta será muito útil para o estudante se conhecer melhor e saber quais quesitos precisam de mais atenção.

6. Refazer o planejamento de estudos

A partir da análise do seu desempenho e do relatório, chegou a hora de reorganizar seus estudos. Se seu maior problema foram os erros por conteúdo, que tal aumentar o tempo dedicado a determinadas disciplinas? Faltou tempo? Então é a hora de treinar ainda mais o tempo dedicado a cada questão com um cronômetro na mão. O problema foi distração? Treine muito a leitura e e dê mais atenção aos enunciados.

7. Simular!

O objetivo do simulado é efetivamente simular a situação de prova. Por isso, é muito importante que você leve essa atividade a sério como se fosse o vestibular que tanto sonha. Assim, quando chegar a hora, estará realmente pronto para encarar esse desafio.

 

 

fonte:

Guia do Estudante

Data visa evitar aglomerações de estudantes sem prejudicar provas

(Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)© Fornecido por RedeTV! (Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que teve a aplicação adiada por causa da pandemia do novo coronavírus, terá o novo prazo para aplicação das provas divulgado nesta quarta-feira (8). O evento aconteceu no Ministério da Educação (MEC), e conta com a presença do secretário-executivo da pasta, Paulo Vogel, e o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Alexandre Lopes.

Segundo o levantamento feito pelo Inep, para 49,7% dos estudantes, o Enem impresso deve ser aplicado em 2 e 9 de maio de 2021 e o Enem digital em 16 e 23 de maio. As provas estavam originalmente marcadas para acontecer em novembro.

Confira a divulgação oficial das novas datas:

Reprodutor de vídeo de: YouTube (Política de PrivacidadeTermos)

Seleção Unificada

As inscrições para o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) estão abertas até o dia 10 de julho. Serão oferecidas mais de 51 mil vagas em instituições de ensino superior do país.

Pela primeira vez, além dos cursos de graduação presenciais, o Sisu 2020.2 vai ofertar vagas na modalidade a distância (EaD). Além de ter feito o Enem de 2019, os interessados não podem ter zerado a redação. Estudantes que fizeram o exame na condição de treineiros também não podem participar.

 

 

 

fonte:

RedeTV!

Indefinição de datas prejudica tomada de decisão e gera ansiedade em estudantes, que seguem se preparando em meio às incertezas

Ludimila Honorato
Mesmo com o anúncio de mudanças no vestibular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) devido à pandemia do novo coronavírus, a Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade Estadual Paulista (Unesp) mantiveram a posição de aguardar a definição da nova data do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que foi adiado pelo Ministério da Educação, para avaliar o adiamento de suas provas.
Nesta sexta-feira, 5, a Unicamp comunicou que a primeira fase do vestibular 2021 será realizada em janeiro e a segunda, em fevereiro. Além disso, o exame terá 72 questões, não mais 90, e os estudantes terão, no máximo, quatro horas para completá-lo, em vez das cinco anteriores. Procurada nesta sexta, a Unesp disse ainda estudar “medidas para adequação da realização do seu vestibular à nova realidade em que vivemos, entre as quais o seu possível adiamento”.
Entre as medidas previstas estão aumentar o número de locais onde as provas serão realizadas a fim de garantir o distanciamento social, estimular os candidatos a usarem máscaras durante o exame e disponibilizar sabonete líquido em todos os banheiros dos locais de provas, bem como álcool aos candidatos e profissionais que irão atuar diretamente na aplicação dos testes.
Estudo a distância exige foco, dizem professores de cursinho

Apesar de o anúncio da Unicamp ter surpreendido e sido visto como uma atitude antecipada, diretores de cursinhos pré-vestibular ouvidos pelo Estadão veem o adiamento dos vestibulares e do Enem com bons olhos. Ter mais tempo para que os estudantes se preparem é um fator positivo unânime, mas eles orientam que os candidatos devem continuar estudando, não parar com a perspectiva de que poderão recuperar conteúdos adiante.

“O que muda é que o curso vai ter de se adaptar para oferecer simulados que sejam compatíveis com os novos modelos de prova. Até agora, a gente não tinha nenhum formato de prova novo, a Unicamp é o primeiro. Contudo, tem de aguardar possíveis mudanças no formato de prova do Enem, Fuvest e Unesp”, aponta Daniel Perry, diretor do Anglo Vestibulares. Ele avalia que adiar a prova para janeiro é bom porque, possivelmente, a situação da pandemia estará mais sob controle.

Para Edmilson Motta, coordenador geral do Grupo Etapa, o que mudou mesmo na preparação dos alunos para os vestibulares foi a própria pandemia. “Você ter de estudar à distância exige um tipo de foco, dedicação e rotina bem diferentes, demanda muito mais esforço de autonomia do que a rotina de aulas de ir para a escola ou cursinho”, afirma.

Manter rotina de estudos na quarentena é desafio

A barista Midori Martins, de 26 anos, está fazendo cursinho online com a meta de cursar Letras na USP. Para ela, a incerteza se a Fuvest será adiada não interfere no planejamento de estudos, porque está com o foco no aprendizado. “Estudar está sendo um ponto de equilíbrio psicológico, de ter uma meta. Estudar está sendo bom no sentido de que tenho um norte”, afirma. “Não estou com essa ansiedade de saber datas, porque a gente está em uma situação tão surreal que não tem como você ficar querendo que as coisas aconteçam da forma normal.”

Já o estudante Gabriel Alves, de 21 anos, sente que essas indefinições de datas das provas atrapalham. Morador da Vila Inglesa, periferia de São Paulo, ele já enfrenta dificuldades com a falta de um computador para seguir com as aulas. “Não tenho mais o tempo e o cronograma que tinha antes da pandemia, e a necessidade de criar outro foi extremamente urgente. Mesmo assim, ainda não consigo ter um retorno bom, já que tive de ‘me virar nos 30’ e tentar usar o pouco recurso que tenho para acompanhar os alunos do cursinhos”, relata o jovem, que pretende cursar Medicina na USP.

Outra medida anunciada pela Unicamp, e cogitada também pela Unesp, é preparar as provas dos vestibular com maior ênfase nos conteúdos do 1º e 2º anos do Ensino Médio, uma vez que alunos do 3º ano enfrentam dificuldades em 2020 para acompanhar as aulas. “Não sei se isso vai fazer a prova ser mais fácil, mas não dá para contar que a prova será mais fácil porque esse período de isolamento, de fato, está gerando desigualdade muito grande”, diz Alvarez.

Essa também é uma preocupação do diretor e professor do Cursinho Maximize, Tony Manzi. “Se as escolas estão padronizadas, na teoria é legal, mas as escolas não são padronizadas. Escola particular pega conteúdo do 3º (ano do Ensino Médio) e condensa nos dois primeiros anos e o ‘terceirão’ é uma revisão de conteúdo. As escolas públicas não têm isso de ‘terceirão’. Na verdade, acredito eu, a Unicamp deve abrir um pouco mais os olhos para as escolas públicas e vai ter de divulgar novo edital para dizer qual conteúdo vai cortar”, diz ele. Para Alvarez, prorrogar a prova para janeiro “não é suficiente”, porque não há indícios de que haverá equidade para os estudantes.

Faculdade privada adota até vestibular online

A Faculdade Armando Alvares Penteado (FAAP) também decidiu mudar o formato e a data do vestibular. O exame será online e ocorrerá em 14 de junho, com 36 questões e uma redação. Já a Universidade Presbiteriana Mackenzie, campus Campinas, manteve o vestibular em 18 de julho, sendo que as provas serão aplicadas em um único dia no próprio campus da instituição.

 

 

fonte: terra.com.br

 

 

Já o P-Fies deixa de ter limitações em função da renda do beneficiado. Antes, essa modalidade era voltada a estudantes cuja renda familiar bruta mensal por pessoa não excedesse cinco salários mínimos. Mantido por fundos constitucionais e de desenvolvimentos e por bancos privados, o P-Fies deixa de considerar obrigatório que o candidato faça o Enem para participar do programa de financiamento.

Para o Fies as mudanças começam a valer a partir do primeiro semestre de 2021. Já as alterações do P-Fies, a partir do segundo semestre de 2020.

O Fies tem por objetivo facilitar, por meio de financiamentos, o acesso do estudante aos cursos de ensino superior oferecidos por instituições privadas. Em 2018, o programa foi dividido em Fies juro zero, financiado pelo governo federal e voltado para alunos cuja renda familiar bruta mensal por pessoa não ultrapasse três salários mínimos; e P-Fies, modalidade na qual o financiamento é obtido junto a bancos privados, o que implica na cobrança de juro.

De acordo com o Ministério da Educação (MEC), as mudanças, que já haviam sido anunciadas pelo Comitê Gestor do Fies no dia 20 de dezembro, foram feitas para garantir “a meritocracia como base para formar profissionais ainda mais qualificados”.

Redução de vagas

Na reunião do comitê gestor, foi também aprovada a possibilidade de redução das vagas mantidas pelo governo federal, ofertadas aos estudantes em condições socioeconômicas mais vulneráveis.

As vagas poderão passar de 100 mil em 2020 para 54 mil em 2021 e 2022, caso não haja alteração nos parâmetros econômicos atuais. Segundo a pasta da Educação, os valores serão revistos a cada ano, “podendo voltar a 100 mil vagas caso haja alteração nessas variáveis ou aportes do MEC”.

Inadimplência

Um dos principais motivos para as mudanças feitas nas regras do Fies, de acordo com gestões anteriores do MEC, é a alta inadimplência no programa, ou seja, estudantes que contratam o financiamento e não quitam as dívidas. O percentual de inadimplência registrado pelo programa chegou a atingir 50,1% de acordo com dados do MEC. Em 2016, o ônus fiscal do Fies foi de R$ 32 bilhões, valor 15 vezes superior ao custo apresentado em 2011.

O comitê gestor aprovou agora a possibilidade de cobrança judicial dos valores devidos. A judicialização poderá ser feita no caso dos contratos firmados até o segundo semestre de 2017 com dívida mínima de R$ 10 mil. O ajuizamento deverá ser feito após 360 dias de inadimplência na fase de amortização, ou seja, do pagamento em parcelas dos débitos.

Hoje, segundo a pasta, a cobrança de valores é feita no âmbito administrativo. Pela resolução aprovada pelo comitê, só continua a se enquadrar nesse campo quem deve menos de R$ 10 mil. O devedor e os fiadores poderão ser acionados.

Edição: Carolina Gonçalves
fonte: agência brasil

Ministro da Educação minimizou vazamento neste domingo (10); o Inep divulga na quarta-feira (13) o gabarito oficial

    • EDUCAÇÃO
    • Do R7

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, afirmou no início da noite deste domingo (10) que o segundo dia de provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2019 teve a menor abstenção da história. Por volta de 27%.

Segundo o ministro, o número de abstenções de todo o exame (contando os dois dias) também deve ser próximo de 27%.

Neste domingo, 371 estudantes foram eliminados das provas, mas o ministério não soube explicar as razões dessas punições. “Neste ano tivemos uma novidade, que foram aparelhos eletrônicos tocando durante o exame”, comentou o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Alexandre Lopes.

Vazamento

Weintraub também negou qualquer tipo de vazamento no segundo dia de provas.

Uma foto que mostra o caderno de questões deste domingo circulou nas redes sociais após as 16h – os candidatos são autorizados a sair com a prova nas mãos somente a partir das 18h. Weintraub minimizou o episódio, chamando-o de “comportamento inadequado” de um candidato.

“Não vazou. O da semana passada eu chamo de vazamento por ter sido feito por aplicadores da prova. Hoje foi um comportamento inadequado de quem fez a prova”, argumentou.

No domingo passado (3), uma foto da prova vazou nas redes sociais logo após o início do exame. Weintraub disse, na época, que o fato teria ocorrido em Pernambuco e que a Polícia Federal estava investigando o caso. Duas mulheres, de Fortaleza, teriam sido classificadas como suspeitas – no sábado (9), o órgão realizou uma operação na capital cearense onde apreendeu celulares de aplicadores para serem submetidos a perícia.

O autor do vazamento deste domingo, por sua vez, foi descrito pelo ministro como “um adulto, de 18 anos, que queria prestar medicina, aparentemente um playboy”. “Um indivíduo entre esses 5,1 milhões de pessoas que fazem o Enem, estatisticamente irrelevante, se comportou de maneira inadequada antes do final da prova.”

Weintraub acrescentou que um boletim de ocorrência já foi registrado, assim como a notificação aos órgãos competentes fiscalizadores. “O que querem fazer é provocar um mal-estar na sociedade.”

De acordo com ele, “uma militante” tentou, mas não conseguiu estragar o Enem de 2019 divulgando antecipadamente a prova em redes sociais no primeiro dia dos exames, na semana passada. “Houve um planejamento prévio para lesar a sociedade brasileira.”

Weintraub afirmou que os responsáveis pelos atos ilícitos vão ter que explicar o caso “pelo resto da vida”.

Sucesso

Para Weintraub, o Enem 2019 foi o melhor de todos os tempos em vários sentidos. “O objetivo de selecionar as melhores pessoas para ocupar as vagas do ensino superior foi um sucesso e queria parabenizar toda a equipe responsável pelo exame”, afirmou o ministro.

Segundo o ministro, não houve ideologia e nenhum especialista apontou qualquer problema nos conteúdos.

O Inep, órgão responsável pela prova, divulga na quarta-feira (13) o gabarito oficial. Os resultados individuais só serão divulgados em janeiro de 2020.

Provas de domingo

No segundo dia do Enem, alunos destacaram a quantidade de questões sobre Química, e o uso de gráficos e raciocínio lógico. O grau de dificuldade não foi considerado difícil por alunos consultados pela reportagem.

A impressão dos estudantes foi de que as perguntas na área de Ciências da Natureza priorizaram questões de Química, em relação à área de Biologia. Entre as perguntas estavam equações de balanceamento molecular.

“Eu esperava mais questões de análise combinatória, que é o que sempre cai no Enem, mas quase não teve”, diz a aluna Maria Fernanda Flórida, de 17 anos. Ela se refere a perguntas que pedem ao aluno para calcular números de uma sequência.

Segundo ela, houve apenas uma questão desse gênero, e muitas perguntas de Geometria e Probabilidade na prova de Matemática. Outra surpresa para ela foi na prova de Química, que, segundo ela, teve apenas uma pergunta da área de Entalpia. “A prova não estava difícil”, ela diz.

Em entrevista, ministro da Educação afirmou que provavelmente um aplicador vazou as fotos e diz que a Polícia Federal investiga o caso

    • EDUCAÇÃO
    • Karla Dunder e Kaique Dalapola, do R7
  •  04/11/2019 

A primeira prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), realizada no último domingo (3), foi aplicada em 10.133 locais, em 1.727 municípios brasileiros. Os estudantes responderam a 90 questões de linguagens e ciências humanas, além de fazer uma redação sobre “Democratização do acesso ao cinema no Brasil”.

Em entrevista, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, afirmou que o exame “não teve nenhuma questão polêmica, nem ideológica, sem doutrinação.”

O Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) homologou 15.452 atendimentos especializados — é o caso dos participantes com deficiência auditiva ou surdez que têm Libras (Língua Brasileira de Sinais) como primeira língua — esses participantes tiveram tempo adicional de até duas horas para terminarem de resolver as questões de múltipla escolha e a redação. Esses estudantes puderam ficaram até às 21h, os demais terminaram a prova até às 19h.

De acordo com o MEC (Ministério da Educação), cerca de 3,9 milhões de pessoas realizaram o exame neste primeiro dia de provas. Houve ainda 1,2 milhão de faltosos, que representam 23% do total de 5,1 milhões de inscritos.

Os números oficiais divulgados pelo Ministério da Educação ainda apontam que 376 pessoas foram eliminadas por descumprirem as regras do exame em todo país.

Enem 2019

O exame começou com uma confusão com o horário. Relógios de dispositivos como celulares e computadores atualizaram automaticamente para o horário de verão. Muitos estudantes chegaram mais cedo ao local de prova para evitar problemas. Até o Twitter do MEC (Ministério da Educação) divulgou o horário errado.

Logo após o início do exame, começou a circular nas redes sociais imagens de questões da prova. Por meio de nota, o Inep informou que a foto é verdadeira. O ministro da Educação, Abraham Weintraub, afirmou em sua conta no Twitter que provavelmente a imagem vazou em Pernambuco e que a Polícia Federal já está atrás do autor da foto.

Segundo Weintraub, a foto teria sido feita por um aplicador do exame. O ministro disse que possivelmente o vazamento foi feito por um aplicador de provas, que pegou o exame de um estudante que faltou.

Prova

As questões do primeiro dia do Enem abordaram diversos temas ligados aos direitos humanos, como violência contra a mulher, racismo, refugiados, escravidão e discursos de ódio nas redes sociais. O que não supreendeu os professores.

O tema da redação surpreendeu, no entanto, e manteve o foco nas questões sociais, no caso a “democratização do acesso ao cinema”. Para muitos estudantes, o tema foi considerado difícil.

A próxima prova está marcada para o próximo domingo (10). Os alunos enfrentarão uma maratona de 90 questões de multipla escolha de matemática e ciências da natureza.

Gabarito oficial

O Inep divulga o gabarito oficial no dia 13 de novembro no site ou pelo aplicativo. No total, são seis gabaritos para cada dia e seis Cadernos de Questões, de acordo com as cores da prova e opções acessíveis.

Tirar zero na redação significa ser desclassificado do Exame. Saiba quais são os critérios usados pelo Inep para a correção dos textos

    • EDUCAÇÃO
    • Do R7
  •  30/10/2019

Escrever uma boa redação é um dos maiores desafios para muitos estudantes que vão fazer as provas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). Mais importante que gabaritar nos testes é entregar um texto bem escrito, sem erros e que esteja de acordo com o tema proposto.

Para Raphael Torres, professor do QG do Enem, muitas vezes o aluno se assusta com a nota da redação, “pensa que foi bem, mas não seguiu aos critérios pedidos pela prova e a nota cai”, explica. Os critérios estão disponíveis na Cartilha do participante, divulgada pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa Educacionais Anísio Teixeira).

O primeiro ponto para conseguir uma redação nota mil é respeitar a gramática.  “Usar a norma culta e evitar períodos e frases incompletas é fundamental”, observa Adriano Chan, professor e diretor do Laboratório de Redação.

“Não basta escrever bem, o entendimento do tema e o repertório sócio cultural do aluno contam ponto”, avalia Torres. O estudante deve evitar repetição de palavras e precisa saber usar conjunções.

Saber argumentar é um ponto fundamental. A dica é logo no primeiro parágrafo expor quais são as ideias que serão apresentadas na redação.

“O aluno deve usar as palavras-chaves do assunto (presente na instrução do enunciado) na introdução e apresentar, no primeiro parágrafo, os dois problemas temáticos que serão desenvolvidos na argumentação”, diz Chan.

Para Torres, o estudante também precisa saber conectar as ideias entre os parágrafos e ter coesão no texto.

E o que pode derrubar um aluno na redação?

Fugir do tema proposto é o principal problema na redação. Ler com atenção o enunciado é fundamental para ter sucesso.

As redações só serão corrigidas pela banca se tiverem mais de sete linhas. Os textos com seis linhas ou página em branco serão zerados.

Cuidado ao fazer a prova. “Muitas vezes o aluno escreve a redação no rascunho e entrega a folha de prova em branco, confira antes de entregar”, diz Torres.

O candidato deverá fazer uma dissertação escolar, com introdução, argumentação e conclusão. Se apresentar algo diferente disso, a nota é zero.

Cópia dos textos da introdução ou escrever em outra língua também desclassifica o participante.

Dica do professor:

Torres destaca a importância da revisão do texto. “Perdemos o hábito de reler com atenção. Uma sugestão é escrever a redação logo no início da prova e ir intercalando as questões com a releitura para corrigir possíveis erros.”

 

 

 

 

 

Participantes devem confirmar as informações na Página do Participante, na internet. Exames estão marcados para os dias 3 e 10 de novembro

    • EDUCAÇÃO
    • Do R7
  •  16/10/2019 

O Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), responsável pela aplicação do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) divulgou nesta quarta-feira (16) o local de provas do exame.

 

Estudantes inscritos no Enem poderão acessar o Cartão de Confirmação da Inscrição para saber onde farão o exame, o número da sala, além de poder conferir a opção de língua estrangeira feita durante a inscrição. Caso tenha sido solicitado algum atendimento específico ou especializado com recursos de acessibilidade, é possível checar se foram aprovados.

As provas serão aplicadas nos dias 3 e 10 de novembro. Cerca de 5,1 milhões de estudantes estão inscritos no Enem 2019.

Falta menos de um mês para o Enem (Exame Nacional do Ensino
Médio) e para tirar todas dúvidas dos estudantes, o R7 faz um guia com informações sobre o exame. As provas estão marcadas para os dias 3 e 10 de novembro e conta com mais de 5 milhões de inscritos. Confira as dicas:
Foto: Adriana Toffetti/A7 Press/Folhapress

Falta menos de um mês para o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e para tirar todas dúvidas dos estudantes, o R7 faz um guia com informações sobre o exame. As provas estão marcadas para os dias 3 e 10 de novembro e conta com mais de 5 milhões de inscritos. Confira as dicas:

O que é o Enem: O Exame Nacional do Ensino Médio é o principal meio de ingresso para as principais universidades públicas do país. Algumas instituições particulares também aceitam as notas do exame para o ingresso. O Enem também pode ser usado pelos estudantes interessados em cursar uma universidade em Portugal. Depois da criação do Sisu (Sistema de Seleção Unificada), o Enem substituiu boa parte dos vestibulares tradicionais.

Quem pode participar: Pode participar quem está concluindo ou já concluiu o ensino médio. Os estudantes que ainda não finalizaram o médio, podem participar como ‘treineiros’. Não tem restrição para quem já possui graduação.

Calendário: 16 de outubro o Inep (Instituto Nacional Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) deve divulgar o local das provas. No dia 3 de novembro será realizado o primeiro exame com aplicação das provas de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, Redação, Ciências Humanas e suas Tecnologias.  No dia 10 de novembro, os estudantes encaram o segundo dia de exame com aplicação das provas de Ciências da Natureza e suas Tecnologias / Matemática e suas Tecnologias.  A publicação dos gabaritos e cadernos de questões será no dia 13 de novembro. E em janeiro de 2020 serão divulgados os resultados individuais, mas ainda sem data definida.

Como são as provas: Os participantes têm dois domingos para fazer o Enem. No primeiro dia, são aplicadas as provas de Linguagens e suas Tecnologias, Ciências Humanas e Redação, com um total de 5 horas e 30 minutos para a realização do exame. Já o segundo dia de provas abordará apenas os conteúdos de Ciências da Natureza e Matemática e suas Tecnologias, com o tempo reduzido para 4 horas e 30 minutos.

O que levar no dia:  Caneta esferográfica transparente e documento de identificação ORIGINAL com foto. Não são aceitas cópias mesmo que autenticadas. Também não vale documento digital. Não é obrigatório, mas vale a pena levar o cartão de confirmação de inscrição e a declaração de comparecimento impressa.

Horário: Fique atento ao início da prova. Os portões são abertos pontualmente ao meio-dia e fecham às 13h pelo horário de Brasília. As provas começam às 13h30. O estudante deve chegar ao menos uma hora antes da abertura dos portões. Preste atenção ao fuso horário. No primeiro dia, as provas terminam às 19h e, no segundo, às 18h30.

O que é proibido:  Após o fechamento dos portões às 13h fica proibida qualquer tipo de conversa ou perturbação no local do exame. Desligue o celular, se tocar, o participante será desclassificado. Não pode conversar, apenas com o fiscal e se necessário.

Também está vetado qualquer tipo de material impresso como livros e apostilas assim como anotações. Estojo, lápis e borracha não são aceitos.

Sair da sala antes de duas horas do início do exame é motivo de eliminação. Para ir ao banheiro, o estudante deve pedir autorização e ir acompanhado de um fiscal.

É proibido, ainda, deixar o local com o Cartão-Resposta, a Folha de Redação e a Folha de Rascunho. O Caderno de Questões só poderá ser levado pelo candidato que sair em definitivo da sala nos 30 minutos que antecedem o término das provas.

Envelope : Os estudantes recebem, antes de entrar na sala, um envelope porta-objetos para guardar todos os itens “proibidos”. Esse envelope deve ficar abaixo da carteira, com eletrônicos desligados.

Eletrônicos: Os participantes do Enem não podem se recusar, caso seja pedida, revista eletrônica, coleta de dado biométrico e a ter seus objetos revistados eletronicamente.

Pessoas com deficiência ou necessidades especiais: Os participantes que precisarem de atendimento especial ou especializado devem informar e comprovar durante o período de inscrições, a necessidade de condições especiais para realizar a prova. O Inep assegura recursos para atendimento especializado a pessoas com baixa visão, cegueira, visão monocular, deficiência física, deficiência auditiva, surdez, deficiência intelectual (mental), surdocegueira, dislexia, déficit de atenção, autismo e/ou discalculia.

Mãe e gestantes: Gestantes, mulheres amamentando e pessoas em situação hospitalar também devem informar as condições específicas no ato da inscrição para ter atendimento adequado.

Discurso de Bolsonaro na ONU, bombardeio a refinarias de petróleo na Arábia Saudita, veja os principais temas de atualidades de setembro

    • EDUCAÇÃO
    • Do R7
  •  03/10/2019

O Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e os principais vestibulares do país estão chegando. Confira os principais assuntos de atualidades do mês, que podem cair nas provas:

 

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) abriu a 74ª Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas), mantendo a tradição de um brasileiro abrir os discursos. Bolsonaro falou sobre diversos temas entre eles a abertura da economia. O discurso foi marcado por um tom ideológico, passando por temas como religiosidade, família, período militar e críticas à esquerda, ao socialismo e à imprensa. Falou, como era esperado, sobre a Amazônia e soberania nacional
Foto: Alan Santos / PR – 28.06.2019

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) abriu a 74ª Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas), mantendo a tradição de um brasileiro abrir os discursos. Bolsonaro falou sobre diversos temas entre eles a abertura da economia. O discurso foi marcado por um tom ideológico, passando por temas como religiosidade, família, período militar e críticas à esquerda, ao socialismo e à imprensa. Falou, como era esperado, sobre a Amazônia e soberania nacional.

Greta Thunberg, jovem ativista sueca, criadora da Greve pelo Clima, participou de Cúpula das Nações Unidas, em seu discurso, na abertura de uma conferência sobre o clima, ela afirmou: 'Vocês roubaram meus sonhos e minha infância com suas palavras vazias' e cobrou ações mais efetivas sobre as mudanças climáticas. Jovens brasileiros também participaram dos debates como a ativista Paloma Costa 
Foto: EFE

Greta Thunberg, jovem ativista sueca, criadora da Greve pelo Clima, participou de Cúpula das Nações Unidas, em seu discurso, na abertura de uma conferência sobre o clima, ela afirmou: “Vocês roubaram meus sonhos e minha infância com suas palavras vazias” e cobrou ações mais efetivas sobre as mudanças climáticas. Jovens brasileiros também participaram dos debates como a ativista Paloma Costa.

As queimadas continuam, desta vez atinge o Cerrado, a fumaça chegou ao interior de São Paulo e Minas Gerais. O tempo seco favorece que as chamas se propaguem rapidamente, mas para os especialistas, o fogo deve ter começado por ação humana. Neste mês de setembro, a região registrou mais focos de incêndio que a Amazônia. O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, em Goiás, teve 3 mil hectares incendiados e outros 3,5 mil em torno foram atingidos
Foto: Reprodução Twitter

As queimadas continuam, desta vez atinge o Cerrado, a fumaça chegou ao interior de São Paulo e Minas Gerais. O tempo seco favorece que as chamas se propaguem rapidamente, mas para os especialistas, o fogo deve ter começado por ação humana. Neste mês de setembro, a região registrou mais focos de incêndio que a Amazônia. O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, em Goiás, teve 3 mil hectares incendiados e outros 3,5 mil em torno foram atingidos.

A morte da menina Ágatha Félix, de apenas 8 anos, comoveu o país. A menina levou um tiro de fuzil no morro do Alemão, no Rio de Janeiro, quando voltava de uma passeio com a mãe. Ela estava no banco traseiro de uma Kombi. Segundo familiares e moradores não havia tiroteio no momento. Segundo o motorista, a polícia fez dois disparos contra motociclistas que passavam no local e, possivelmente, teriam atingido Ágatha. Os policiais alegaram que atiraram em traficantes. Moradores fizeram diversos protestos no local. Ela foi a 5ª criança assassinada, neste ano, no local
Foto: Reprodução

A morte da menina Ágatha Félix, de apenas 8 anos, comoveu o país. A menina levou um tiro de fuzil no morro do Alemão, no Rio de Janeiro, quando voltava de uma passeio com a mãe. Ela estava no banco traseiro de uma Kombi. Segundo familiares e moradores não havia tiroteio no momento. Segundo o motorista, a polícia fez dois disparos contra motociclistas que passavam no local e, possivelmente, teriam atingido Ágatha. Os policiais alegaram que atiraram em traficantes. Moradores fizeram diversos protestos no local. Ela foi a 5ª criança assassinada, neste ano, no local.

Bombardeios com drones a petrolíferas da Arábia Saudita aumentaram a tensão no Oriente Médio. Os ataques foram reivindicados por rebeldes do Iêmen. A consequência imediata dos atentados foi uma redução de 5% na produção internacional de petróleo e a alta do preço do barril mundo afora
Foto: REUTERS/Stringer/16.09.2019

Bombardeios com drones a petrolíferas da Arábia Saudita aumentaram a tensão no Oriente Médio. Os ataques foram reivindicados por rebeldes do Iêmen. A consequência imediata dos atentados foi uma redução de 5% na produção internacional de petróleo e a alta do preço do barril mundo afora.

No primeiro dia de outubro, o Senado aprovou o texto base da Reforma da Previdência em 1º turno. Validação do relatório do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) por 56 votos a 19 deixa mudança no sistema de aposentadorias a um passo de ser oficializada. Entre as mudanças aprovadas aparecem a idade mínima de 62 anos (mulheres) e 65 anos (homens) e 15 anos de contribuição para conquistar a aposentadoria
Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado – 24.9.2019

No primeiro dia de outubro, o Senado aprovou o texto base da Reforma da Previdência em 1º turno. Validação do relatório do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) por 56 votos a 19 deixa mudança no sistema de aposentadorias a um passo de ser oficializada. Entre as mudanças aprovadas aparecem a idade mínima de 62 anos (mulheres) e 65 anos (homens) e 15 anos de contribuição para conquistar a aposentadoria.