Segunda etapa da liberação do Fundo atinge 4,1 milhões de trabalhadores não correntistas do banco, que podem sacar até R$ 500 por conta ativa ou inativa

    • ECONOMIA
    • Do R7
  •  21/10/2019 

A Caixa Econômica Federal vai estender o expediente bancário de 2.302 agências, nesta segunda (21) e terça-feira (22), para atender os trabalhadores que querem efetuar o Saque Imediato do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço).

O valor é de até R$ 500 por conta ativa ou inativa.

A segunda etapa da liberação do Fundo começou na sexta-feira (18) e contempla trabalhadores não correntistas nascidos em janeiro.

Cerca de 4,1 milhões de pessoas serão atendidas nesta fase, com injeção de R$ 1,8 bilhão na economia.

O calendário de saques é determinado de acordo com o mês de nascimento do trabalhador.

Para facilitar o atendimento, a Caixa trabalhará com horário estendido na segunda (21) e terça-feira (22). Confira:

• As agências que abrem às 8h encerrarão o expediente duas horas depois do que o horário normal;
• Agências que abrem às 9h terão atendimento uma hora antes e uma hora depois;
• Aquelas que abrem às 10h iniciam o expediente com duas horas de antecedência;
• Agências que abrem às 11h também iniciam o atendimento duas horas antes do horário normal;

Os saques podem ser feitos até 6 de março de 2020 — no caso de trabalhadores nascidos em dezembro.

Como sacar

• Até R$ 100 por conta:
O trabalhador pode sacar este valor em unidades lotéricas, apresentando CPF e um documento de identificação.

• Até R$ 500 por conta:
Este valor pode ser sacado em unidades lotéricas ou correspondentes Caixa Aqui, com documento de identificação e cartão do cidadão com senha.

Já nos terminais de autoatendimento é necessário usar o CPF e senha Cidadão.

As dúvidas sobre valores e data do saque podem ser consultadas no aplicativo do FGTS (disponível para iOS e Android), pelo site ou pelo telefone de atendimento exclusivo 0800 724 2019, disponível 24 horas.

A data limite para saque é 31 de março de 2020. Caso o saque não seja feito até essa data, os valores retornam para a conta do FGTS do trabalhador.

Internauta está recebendo o seguro-desemprego mas tem medo de perder o benefício caso opte pelo saque imediato do fundo

    • O QUE É QUE EU FAÇO SOPHIA
    • Do R7
  •  20/09/2019

Resposta: Não perde. Segundo a assessoria de imprensa da Caixa Econômica Federal, o saque imediato não impede o trabalhador de receber o seguro-desemprego.

O que impede o recebimento desse seguro é ter uma renda própria para seu sustento e de sua família ou receber benefícios de prestação continuada da Previdência Social, exceto pensão por morte ou auxílio-acidente. Confira mais informações sobre o seguro-desemprego.

O seguro-desemprego é um auxílio em dinheiro pago ao trabalhador desempregado por um período que varia entre três a cinco parcelas.
O número de parcelas a receber depende do tipo de trabalho, da quantidade de meses trabalhados e também se o trabalhador chegou a receber o benefício alguma vez.
Quem tem direito?

Têm direito ao benefício o:

  • Trabalhador formal e doméstico, em virtude da dispensa sem justa causa, inclusive dispensa indireta;
  • Trabalhador formal com contrato de trabalho suspenso em virtude de participação em curso ou programa de qualificação profissional oferecido pelo empregador;
  • Pescador profissional durante o período do defeso;
  • Trabalhador resgatado da condição semelhante à de escravo.
Quais são as condições para receber o seguro?

 

As condições para receber o seguro variam de acordo com cada caso. Confira:

Trabalhador formal
Getty Images
No caso do trabalhador formal, isto é, o empregado que trabalha para uma empresa com carteira assinada, esses são os requisitos:
  • Ter sido demitido sem justa causa;
  • Estar desempregado quando for requerer o benefício
  • Ter recebido salários de pessoa jurídica ou pessoa física equiparada à jurídica (inscrita no CEI) relativos a:

1ª solicitação: pelo menos 12 (doze) meses nos últimos 18 (dezoito) meses imediatamente anteriores à data de dispensa;
2ª solicitação: pelo menos 9 (nove) meses nos últimos 12 (doze) meses imediatamente anteriores à data de dispensa;
3ª solicitação: cada um dos 6 (seis) meses imediatamente anteriores à data de dispensa, quando das demais solicitações.

  •  Não possuir renda própria para o seu sustento e de sua família;
  •  Não estar recebendo benefício de prestação continuada da Previdência Social, exceto pensão por morte ou auxílio-acidente.
Empregado doméstico
Getty Images
 Ter sido dispensado sem justa causa;
  • Ter trabalhado, exclusivamente, como empregado doméstico, pelo período mínimo de 15 meses nos últimos 24 meses que antecederam a data de dispensa que deu origem ao requerimento do seguro-desemprego;
  • Ter, no mínimo, 15 recolhimentos ao FGTS como empregado doméstico;
  • Estar inscrito como Contribuinte Individual da Previdência Social e possuir, no mínimo, 15 contribuições ao INSS;
  • Não possuir renda própria de qualquer natureza suficiente à sua manutenção e a de sua família;
  • Não estar recebendo nenhum benefício previdenciário de prestação continuada, com exceção do auxílio-acidente e pensão por morte.
Empregado com contrato de trabalho suspenso por bolsa de qualificação profissional
Getty Images

Estar com o contrato de trabalho suspenso, em conformidade com o disposto em convenção ou acordo coletivo, devidamente matriculado em curso ou programa de qualificação profissional oferecido pelo empregador.

Pescador Artesanal
Getty Images
  • Possuir inscrição no INSS como segurado especial;
  • Possuir comprovação de venda do pescado a adquirente pessoa jurídica ou cooperativa, no período correspondente aos últimos 12 meses que antecederam ao início do defeso;
  • Não estar em gozo de nenhum benefício de prestação continuada da Previdência Social ou da Assistência Social, exceto auxílio-acidente ou pensão por morte;
  • Comprovar o exercício profissional da atividade de pesca artesanal objeto do defeso e que se dedicou à pesca, em caráter ininterrupto, durante o período compreendido entre o defeso anterior e o em curso;
  • Não ter vínculo de emprego ou outra relação de trabalho ou outra fonte de renda diversa da decorrente da atividade pesqueira.

Trabalhador Resgatado

Getty Images
  • Ter sido comprovadamente resgatado de regime de trabalho forçado ou da condição análoga à de escravo;
  •  Não estar recebendo nenhum benefício da Previdência Social, exceto auxílio-acidente e pensão por morte;
  •  Não possuir renda própria para seu sustento e de sua família.

Fontes: Caixa Econômica Federal e Ministério do Trabalho

Estimativas apontam que a maior parte dos recursos liberados a partir da próxima sexta-feira (13) deve ser utilizada para o pagamento de dívidas

    • ECONOMIA
    • Raphael Fernandes*, do R7
  •  09/09/2019
Saques de até R$ 500 serão disponibilizados na sexta-feira (13)

Saques de até R$ 500 serão disponibilizados na sexta-feira (13)

Pilar Olivares/Reuters

Na próxima sexta-feira (13), começa a liberação do saque de até R$ 500 do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo e Serviço). O primeiro lote estará disponível para os nascidos em janeiro, fevereiro, março ou abril. Os que nasceram em maio, junho, julho ou agosto realizarão o saque a partir de 27 de setembro e os aniversariantes de setembro, outubro, novembro ou dezembro estão liberados no dia 9 de outubro.

 

A expectativa do governo para esse ano é que sejam liberados R$ 30 bilhões e, em 2020, mais R$ 12 bilhões do FGTS e do PIS/Pasep. O saque limite de R$ 500 valerá para contas ativas e inativas do FGTS.

Fabio Gallo, professor de finanças da FGV EAESP, diz acreditar que esse dinheiro pode dar uma “animadinha” na economia. “Não vai fazer a economia rodar nesse momento. Não vai tirar da situação atual, vai dar uma ‘animadinha’, mas nada acima disso”, comentou.

Com o aumento do número de pessoas endividadas, o professor acredita que o valor retirado seja utilizado para pagamento de dívidas. “Potencialmente, esse dinheiro seja usado fortemente para o pagamento de dívida, o que também é bom para a economia. Não é uma notícia ruim”, analisou Gallo.

Dívidas dos brasileiros

Pesquisa divulgada pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) e SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito), com dados referentes ao mês de julho, revelou que 37% dos brasileiros possuem dívidas que não ultrapassam o valor de R$ 500, o mesmo que será liberado na sexta-feira (13).

Apesar do número de inadimplentes ter crescido em julho (1,73%) em relação ao mesmo mês do ano passado, 53% dos brasileiros com contas atrasadas têm dívidas que não superam R$ 1.000.

Arte R7

Expectativa do comércio

João Sanzovo Neto, presidente da Abras (Associação Brasileira de Supermercados), declarou que com a economia na “corda bamba”, a instituição pensou em revisar a expectativa inicial de 3% de crescimento nas vendas de 2019 para um valor inferior. “Após sabermos da liberação do FGTS e também do PIS/Pasep, resolvemos manter a projeção do começo do ano, em 3%”, falou.

Sanzovo Neto comentou que a liberação “representa uma dose extra de otimismo” para os próximos meses. “Para o nosso setor, essas medidas, que devem injetar R$ 30 bilhões na economia este ano, de acordo com o governo federal, representaram uma dose extra de otimismo em relação aos próximos meses, e nos impulsionaram a acreditar em um final de ano mais promissor”, disse o presidente.

De acordo com Neto, a redução na taxa básica de juros, antecipação do 13º dos aposentados e, ainda, a Semana do Brasil, foram outras medidas que incentiveram o “otimismo” no setor.

O economista da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo), Fabio Bentes, ressaltou que em 2017 o FGTS ajudou o varejo a se recuperar. “Em 2017, o FGTS ajudou o varejo a se recuperar, lembrando que 2016 foi o ano de recessão. Na segunda metade de 2017, alguns setores já apresentavam um resultado bem melhor.”

Bentes diz acreditar que R$ 9,6 bilhões serão destinados ao varejo, no qual R$ 3,3 bilhões (34% do valor) devem ser gastos no segmento de vestuário.

“Em relação ao mesmo período do ano passado [entre setembro e dezembro], a tendência é que tenha um aumento entre 1% a 1,5% no varejo”, disse o economista.

Assim como Fabio Gallo, Bentes também analisa que maior parte dos recursos deve ser destinada para pagamento de dívidas. “Dividindo esses R$ 30 bilhões, 40% dos recursos devem ir para pagamento e quitacação de dívidas, segundo lugar é o impacto no varejo com 32% do total, depois consumo futuro (poupança ou recursos que vão ser consumidos nos meses subsequentes) com 16% e, por último, o setor de serviços com 12%.”

Incentivos no varejo

Diretora executiva do Ibevar (Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo), Patricia Cotti destacou que algumas redes de empresas estão divulgando campanhas de marketing para incentivar as pessoas a usarem o benefício do FGTS com mercadorias.

“O varejo sempre olha isso de maneira positiva. As grandes redes já estão com algumas campanhas de marketing. Algumas empresas, principalmente as de eletrodomésticos, têm feito essa movimentação. Os meses de setembro e outubro são relativemente baixos de demanda para o varejo”, finalizou.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Ana Vinhas

Por Marta Cavallini, G1

02/08/2019


Números da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN) mostram que 225 mil empregadores têm dívidas relacionadas ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). A dívida total soma R$ 32 bilhões e atinge mais de 8 milhões de trabalhadores.

O governo anunciou na semana passada a liberação do FGTS para trabalhadores com saldo tanto em contas ativas como inativas.

O FGTS é um direito do trabalhador com carteira assinada. Até o dia 7 de cada mês, os empregadores devem depositar em contas abertas na Caixa Econômica Federal, em nome dos empregados, o valor correspondente a 8% do salário de cada funcionário. Quando a data não cair em dia útil, o recolhimento deve ser antecipado. O fundo não acarreta desconto no salário, pois se trata de uma obrigação do empregador.

Se tiver depósitos a receber, o trabalhador pode tentar reaver o dinheiro acionando a Justiça do Trabalho.

Do total de empregadores que devem o FGTS aos seus funcionários, 595 são órgãos da administração pública.

A PGFN atua na cobrança dos valores que deixaram de ser recolhidos e que, por isso, foram encaminhados para inscrição na dívida ativa. Em 2018, as atividades de cobrança de FGTS, desempenhadas pela PGFN, beneficiaram até 728 mil trabalhadores, informou o órgão, ligado ao Ministério da Economia.

A lista de devedores é pública e pode ser acessada neste link da PGFN.

Segundo levantamento feito pelo G1 com dados da PGFN, as 20 empresas com as dívidas mais altas somam cerca de 7% do valor total atrasado que é devido ao FGTS, com R$ 2,302 bilhões. A maior parte delas está falida ou em recuperação judicial, como Varig, Vasp, Busscar Ônibus, Sociedade Universitária Gama Filho e Laginha Agroindustrial.

Na lista das 20 maiores dívidas, a maior é a da Varig, com R$ 606,5 milhões em atraso, seguida pela Vasp, com quase R$ 159 milhões pendentes. Há ainda um órgão público na lista dos 20 maiores devedores: o município de Itabuna (BA).

As 20 maiores dívidas com o FGTS

Empresa Dívida com o FGTS
Varig R$ 606,5 milhões
Vasp R$ 158,8 milhões
Associação Sociedade Brasileira de Instrução (Asbi) R$ 130 milhões
Sociedade Universitária Gama Filho R$ 125,7 milhões
Laginha Agroindustrial R$ 118,8 milhões
Correios R$ 113,8 milhões
TV Manchete R$ 102,5 milhões
Eletropaulo R$ 94,5 milhões
Smar Equipamentos Industriais R$ 91,6 milhões
Teka Tecelagem Kuehnrich R$ 86,8 milhões
Busscar Ônibus R$ 84,7 milhões
Associação de Ensino Superior de Nova Iguaçu R$ 82 milhões
Município de Itabuna (BA) R$ 74,9 milhões
Associação Educacional São Paulo Apóstolo (Assespa) R$ 65,5 milhões
Usina Central Paraná R$ 63,6 milhões
Sata Serviços Auxiliares de Transporte Aéreo R$ 63,4 milhões
Zihuatanejo do Brasil Açúcar e Álcool R$ 62,6 milhões
Bloch Editores R$ 62,2 milhões
Sociedade Educacional Tuiuti (Set) R$ 61,4 milhões
Leão Irmãos Açúcar e Álcool R$ 52,9 milhões
Total R$ 2,3 bilhões

O que dizem as empresas

Os Correios informam que “executam de forma regular o recolhimento de FGTS, sempre pautados pela legalidade e eficiência da gestão”.

De acordo com a estatal, “os valores citados no balanço da PGFN estão relacionados a recolhimentos muitos específicos e pontuais, resultantes, em sua maior parte, de uma divergência entre as bases de cálculo apuradas pelo Ministério do Trabalho e pelos Correios. Esses casos estão sendo discutidos em âmbito judicial para buscar a solução do conflito”.

A Enel Distribuição São Paulo, antiga Eletropaulo, informa que não possui pendências relativas ao FGTS e está em dia com suas certificações de regularidade. “O valor citado pela PGFN pode se referir a uma ação judicial, ainda em andamento, de suposto débito de FGTS em período em que a empresa ainda era estatal (1993 a 1998). A exigibilidade desta dívida está suspensa em razão de garantia judicial fornecida pela empresa”, afirmou em nota.

Associação Sociedade Brasileira de Instrução (Asbi) informa que os débitos relativos ao FGTS estão sendo renegociados e “reparcelados” junto aos órgãos competentes, através de parcelamentos administrativos perante a União e do Plano Especial de Execução no TRT/RJ.

As empresas Leão Irmãos Açúcar e Álcool e Zihuatanejo do Brasil Açúcar e Álcool informam que, entre os anos de 2010 a 2018, disponibilizaram diretamente à Justiça do Trabalho o valor de R$ 99.757.056,89 para quitação do seu passivo trabalhista.

Por conta disso, as empresas, que são do Grupo EQM, alegam que não é possível admitir que os débitos apresentados sejam realmente devidos e “carecem de certeza, liquidez e exigibilidade”.

“Muitas vezes, os valores disponibilizados ao trabalhador para quitação do seu contrato de trabalho não são devidamente conciliados e baixados pelo agente cobrador. Nesse sentido, as referidas empresas têm se insurgido nas diversas esferas judiciais contra a cobrança indevida, ou seja, a maior, de créditos de FGTS efetivamente quitados”, afirmam.

As empresas informam ainda que já procuraram o agente cobrador para questionar a cobrança e também para apresentar a documentação que comprova a quitação dos pagamentos realizados.

Teka Tecelagem Kuehnrich informou que não irá se manifestar sobre o assunto.

O G1 não conseguiu retorno das outras empresas presentes na lista das 20 maiores devedoras do FGTS.

Fiscalização do governo

Nos quatro primeiros meses deste ano, fiscalizações feitas contra a sonegação do FGTS por parte das empresas levaram ao recolhimento de R$ 2,06 bilhões em autuações da Secretaria de Inspeção do Trabalho, ligada ao Ministério da Economia. O resultado é 35,81% maior na comparação com o mesmo período de 2018, quando o valor recuperado foi de R$ 1,51 bilhão.

Os valores recolhidos entre janeiro e abril decorrem principalmente de ações de fiscalização realizadas pelos auditores-fiscais em empresas que deixaram de depositar os valores devidos nas contas vinculadas dos empregados.

O recolhimento feito pelas fiscalizações dos auditores fiscais do trabalho vêm aumentando ano a ano. Em 2018 foram recuperados R$ 5,23 bilhões, valor 23,6% maior que o de 2017 (R$ 4,23 bilhões). O volume recolhido em 2016 alcançou R$ 3,1 bilhões, enquanto em 2015 foram R$ 2,2 bilhões.

2019-08-02LIBERAÇÃO DE SAQUES DO FGTS E DO FUNDO PIS-PASEP

Por G1 — Brasília

24/07/2019


O governo federal pretende anunciar nesta quarta-feira (24) a liberação de saques anuais de contas ativas e inativas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e do PIS-Pasep. O anúncio será no Palácio do Planalto, em cerimônia com o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes.

De acordo com o ministro, o valor a ser liberado pelo governo deverá somar R$ 42 bilhões, sendo R$ 30 bilhões em 2019 e outros R$ 12 bilhões em 2020.

Dos R$ 30 bilhões previstos para este ano, R$ 28 deverão ter origem nos saques do FGTS e outros R$ 2 bilhões, nas contas do PIS-Pasep.

O PIS é um abono pago aos trabalhadores da iniciativa privada administrado pela Caixa Econômica Federal. O Pasep é pago a servidores públicos por meio do Banco do Brasil.

Segundo o colunista do G1, Valdo Cruz, para o FGTS, o governo avalia criar o limite de saque de R$ 500 por conta. Assim, um trabalhador com duas contas inativas e uma ativa, poderá sacar, por exemplo, no máximo R$ 1,5 mil.

Atualmente o saque do FGTS só é possível em algumas hipóteses, como demissão sem justa causa, termino do contrato por prazo determinado, compra de moradia própria, entre outras.

A medida, segundo o governo, tem o objetivo de aquecer a economia. Nesta segunda-feira (22), o secretário de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, afirmou que a liberação dos recursos terá um impacto “considerável” e “substancial” na economia.

Em um momento de economia fraca, os recursos podem ajudar a recuperação do PIB e, também, da taxa de emprego. De acordo com Guedes, atualmente há 262 milhões de contas de trabalhadores no FGTS.

Adiamento

O presidente Jair Bolsonaro vem sinalizando a medida desde a semana passada. Na última quarta-feira (17), durante viagem à Argentina, o presidente disse que o anúncio dos saques aconteceria ainda naquela semana.

No dia seguinte, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse que o anúncio ficaria para esta quarta-feira porque detalhes da medida ainda estavam sendo fechados pelas equipes técnicas.

A medida vem sendo estudada pelo governo já há algum tempo. Em maio, Paulo Guedes já havia dito que o governo estudava liberar os recursos dos trabalhadores depositados em contas inativas e ativas do FGTS assim que fossem aprovadas as reformas, entre as quais a reforma da Previdência.

Parte do saldo total das contas do FGTS é utilizada pelo governo para financiar linhas de crédito nas áreas de habitação, saneamento básico e infraestrutura.

No governo Michel Temer, foi permitido o saque de contas inativas do FGTS. De acordo com a Caixa Econômica, os saques somaram R$ 44 bilhões, com 25,9 milhões de trabalhadores beneficiados.

Por Guilherme Mazui, G1 — Brasília

18/07/2019


O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (18) que ainda não foi “batido o martelo” sobre como funcionará a liberação do saque de contas ativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e do PIS-Pasep, mas que o anúncio oficial deve ser feito ainda nesta tarde. Às 16h, a agenda de Bolsonaro prevê uma cerimônia alusiva aos 200 dias de seu governo.

Questionado sobre o modelo, o presidente declarou que não deseja se antecipar à equipe econômica do governo. Bolsonaro falou rapidamente com jornalistas na portaria da residência oficial em Brasília.

“Se deve ser anunciado hoje é porque não foi batido o martelo. Se for batido o martelo, faltam alguns ajustes. Não quero aqui antecipar a equipe econômica”, disse.

Bolsonaro já havia dito na quarta, em viagem à Argentina, que os detalhes sobre a proposta de liberação de saques seriam definidos durante a semana.

Na véspera, o ministro da Economia, Paulo Guedes, informou em entrevista à GloboNews, na Argentina, a liberação dos saques do FGTS e do PIS-Pasep para tentar reaquecer a economia com a injeção de R$ 63 bilhões no mercado.

O PIS é um abono pago aos trabalhadores da iniciativa privada administrado pela Caixa Econômica Federal. O Pasep é pago a servidores públicos por meio do Banco do Brasil.

De acordo com o colunista do G1, Valdo Cruz, a equipe de Guedes apresentará a Bolsonaro mais de uma proposta de saque de FGTS.

Entre essas propostas, estão:

  • saque único de um percentual de contas ativas e inativas do fundo;
  • saque apenas de contas inativas neste ano;
  • criação de um modelo de saque anual, que poderia funcionar como um 14º salário para o trabalhador.

Segundo Valdo, o valor inicialmente divulgado pelo ministro Paulo Guedes, de injetar R$ 42 bilhões na economia, pode ficar menor para evitar retirar recursos do FGTS destinados ao financiamento habitacional. Técnicos envolvidos no estudo falavam em algo na casa de R$ 30 bilhões.

Neste primeiro sábado (18) de funcionamento das agências para tirar dúvidas dos trabalhadores sobre o saque de contas inativas do Fundo de Garantia de Tempo de Serviço (FGTS), as agências da Caixa Econômica Federal avenida Paulista e da Sé, algumas das mais frequentadas em São Paulo, tiveram movimento tranquilo pela manhã. O atendimento vai até as 15h.

A Caixa vai abrir 1.891 agências em outros quatro sábados para esclarecer dúvidas: 11 de março, 13 de maio, 17 de junho e 15 de julho. O horário de funcionamento será das 9h às 15h.

A bióloga Luciana Lupi foi a uma agência da Caixa neste sábado para tirar dúvidas sobre conta inativa do FGTS (Foto: Pamela Kometani / G1)A bióloga Luciana Lupi foi a uma agência da Caixa neste sábado para tirar dúvidas sobre conta inativa do FGTS (Foto: Pamela Kometani / G1)

A bióloga Luciana Lupi foi a uma agência da Caixa neste sábado para tirar dúvidas sobre conta inativa do FGTS (Foto: Pamela Kometani / G1)

Luciana Lupi, bióloga de 47 anos, foi até a agência da Avenida Paulista neste sábado para tirar dúvidas. Ela diz que tem uma conta inativa que aparece como ativa no sistema da Caixa. “Faço aniversário em alguns dias e já queria regularizar isso”, apontou. Ela levou os os documentos da rescisão de contrato, carteira de trabalho e RG para regularizar sua situação.

Segundo Luciana, o dinheiro da conta inativa do FGTS já tem destino. “Vou pagar contas e um financiamento”. Ela gostou da abertura das agências aos sábados. “Trabalho durante a semana e não consegui vir antes. O atendimento foi muito bom e rápido”.

Após consulta na agência, Silvana Prado descobriu que não tem saques a fazer de contas inativas do FGTS (Foto: Pamela Kometani)Após consulta na agência, Silvana Prado descobriu que não tem saques a fazer de contas inativas do FGTS (Foto: Pamela Kometani)

Após consulta na agência, Silvana Prado descobriu que não tem saques a fazer de contas inativas do FGTS (Foto: Pamela Kometani)

Professora e técnica de laboratório de genética, Silvana Prado, de 65 anos, é de Curitiba, mas estava passeando pela Avenida Paulista e quando viu a agência aberta resolveu consultar seu saldo. “Infelizmente não tenho dinheiro para retirar. Já peguei tudo quando me aposentei. Mas espero que as outras pessoas tenham bastante”, afirmou.

Sua amiga Maria da Graça, professora aposentada de 65 anos, também aproveitou o movimento tranquilo na agência para saber se tinha dinheiro nas contas inativas. “Tenho um pouco, não é muito, mas vou usar para passear e viajar”, disse.

Maria da Graça diz que vai usar o dinheiro que tem em contas inativas do FGTS para passear e viajar (Foto: Pamela Kometani)Maria da Graça diz que vai usar o dinheiro que tem em contas inativas do FGTS para passear e viajar (Foto: Pamela Kometani)

Maria da Graça diz que vai usar o dinheiro que tem em contas inativas do FGTS para passear e viajar (Foto: Pamela Kometani)

As duas elogiaram o atendimento e a abertura das agências aos sábados. “Na verdade vim sacar dinheiro e vi a agência aberta. O atendimento foi muito rapando”, completou Maria da Graça.

O auxiliar contábil Gileno Marques Gondim, de 53 anos, preferiu ir até uma agência da Caixa para consultar o seu FGTS inativo. “Vim ontem e tirei uma dúvidas e vim hoje novamente”. Ele tinha comprado ações com o FGTS e agora vai vendê-las para receber o valor.

Gondim vai usar o dinheiro para pagar contas. “Acho que a maioria das pessoas vai fazer isso, mesmo não sendo um quantia muito grande. Muito dinheiro vai ser liberado, mas no final fica pouco por pessoa”, opinou.

Gileno Marques Gondim vai vender as ações que comprou com o FGTS (Foto: Pamela Kometani)Gileno Marques Gondim vai vender as ações que comprou com o FGTS (Foto: Pamela Kometani)

Gileno Marques Gondim vai vender as ações que comprou com o FGTS (Foto: Pamela Kometani)

Perto da agência da Praça da Sé, o sindicato dos bancários fizeram uma manifestação contra a abertura das agências no sábado. Segundo os manifestantes, muitos funcionários aceitaram trabalhar no final de semana por causa dos baixos salários.

O sindicato também reclamou de redução do número de funcionários na Caixa, defendendo mais contratações para que o banco não precise abrir aos sábados e mais cedo para atender os clientes.

Sindicato dos bancários protesta contra abertura das agências da Caixa aos sábados (Foto: Pamela Kometani)Sindicato dos bancários protesta contra abertura das agências da Caixa aos sábados (Foto: Pamela Kometani)

Sindicato dos bancários protesta contra abertura das agências da Caixa aos sábados (Foto: Pamela Kometani)

Saques do FGTS

O governo anunciou em dezembro que os trabalhadores com contas inativas do FGTS até o fim de 2015 terão direito a sacar o dinheiro. Os resgates obedecerão a um calendário de saques que terá início no dia 10 março e será encerrado no fim de julho, de acordo com o mês de aniversário. Uma conta fica inativa quando deixa de receber depósitos da empresa devido ao fim do contrato de trabalho.

Calendário de saques do FGTS (Foto: Arte/G1)Calendário de saques do FGTS (Foto: Arte/G1)

Calendário de saques do FGTS (Foto: Arte/G1)

O saque do FGTS inativo poderá ser feito pelos trabalhadores que pediram demissão ou foram mandados embora por justa causa até dezembro de 2015.

A partir de março, mais de 30 milhões de trabalhadores terão direito a retirar o dinheiro. De acordo com o governo, são mais de R$ 43 bilhões parados nessas contas e o governo calcula que, desse total, R$ 34 bilhões serão sacados por trabalhadores até 31 de julho.

O saque obedecerá a um calendário de acordo com a data de nascimento do beneficiário. Devido à liberação do dinheiro, a Caixa Econômica Federal disponibilizou o site exclusivo para informações e consultas de saldos somente das contas inativas: www.caixa.gov.br/contasinativas, e o telesserviço 0800 726 2017. O interessado pode ainda acessar as informações pelo aplicativo da Caixa, mas nesse caso aparecerão também as contas ativas do FGTS.